5ª Etapa
Volta ao Alentejo > Etapas > 5ª Etapa
5ª Etapa / Castelo de Vide - Évora / 171,9 km / 20 março
Menu
Cidade de Partida
Cidade de Chegada
Mapa
Percurso
Altimetria
Partida e Chegada
Relato
Galeria
Media
Comunicados
Castelo de Vide

Perde-se nas brumas do tempo e das lendas a razão pela qual foi criada uma praça-forte neste local. Esta dúvida que só a arqueologia poderá esclarecer com segurança, estaria possivelmente relacionada com a morfologia dos solos que juntamente com factores de estratégia de ordem territorial, uma vez que era necessário consolidar as recém conquistadas terras, levaram a que se fixasse um espaço defensivo e criar condições para possivelmente existentes e novas populações.

Sabe-se por Rui de Pina que em 1299 Castelo de Vide era ainda "lugar etã maís chão q forte" ainda que desde essa data seja apelidado de "Castel da Vide" e que Afonso Sanches, filho de D. Afonso III, iniciou obras de reconstrução das muralhas que foram continuadas pelo seu irmão, D. Dinis , ficando finalmente concluídas no reinado de D. Afonso IV.

Estes melhoramentos dotavam esta praça de melhores condições defensivas alargando a cintura de muralhas, abrangendo o poço inicialmente de fora protegendo a sua entrada que era feita pelo interior do burgo. Uma linha de novas muralhas englobou a cidadela e o aglomerado populacional que já se havia estabelecido fora dela. Foi construída uma importante torre de menagem, periférica e saliente relativamente aos muros, para melhor defender o lado Sul, de mais fácil acesso e ataque. Todos estes reforços no sistema defensivo são indicativos da crescente importância que Castelo de Vide representava em termos estratégicos, tendo o s seus muros experimentado as máquinas de guerra e os assédios durante os conflitos com Castela, em que o nosso país foi fértil durante a Idade Média, como na manutenção municipalidade, adquirida em 1276 quando Castelo de Vide se libertou do termo de Marvão para formar o seu próprio concelho.

Lentamente ocorre a expansão urbana fora das muralhas do castelo, ainda durante o século XIV. As condições da encosta Sul, com boa exposição solar e um declive mais suave, em detrimento das vertentes Norte e Oeste, mais escarpadas e ventosas, determinaram a expansão deste arrabalde. A fundação de várias igrejas e ermidas extramuros estabeleceram com o castelo eixos preferenciais de estruturação da paisagem. Assim aconteceu com o eixo de comunicação que desde a entrada do castelo procurou encosta abaixo a ermida de Santa Maria, fundada em 1311 no local da actual Matriz. Este eixo foi certamente uma das mais antigas vias de expansão, estabelecendo ainda a separação entre as duas vertentes da encosta e também entre o outro arrabalde onde a nascente, a fonte de água, já utilizada pelos habitantes do burgo em tempo de paz, determinou a expansão urbana para esta vertente, compensando assim, os declives mais acentuados e a exposição solar menos privilegiada. Não se sabe ao certo se um dos arrabaldes terá surgido primeiro que o outro, mas o mais provável será terem-se desenvolvido na mesma época vindo este a ser paulatinamente utilizado pelos judeus que de Castela e Aragão procuravam refúgio após a sua expulsão do reino vizinho. Muitos se terão estabelecido em Castelo de Vide por estar próxima da fronteira e da portagem de Marvão, fazendo aumentar a comunidade judaica aqui existente e certamente contribuindo para o desenvolvimento que iria caracterizar a Vila.

É possível ter uma ideia, ainda que um pouco falível, do desenvolvimento urbano que a vila apresentava até ao século XVI pelos desenhos de Duarte d' Armas, as mais antigas representações que se conhecem da vila, onde se pode verificar que no primeiro quartel do século XVI, ambas as vertentes da encosta se encontravam construídas.

 

 

Évora

A cidade de Évora é o principal pólo urbano da região, em termos populacionais e funcionais. A dinâmica social e económica da cidade conseguiu contrariar a tendência da região no seu conjunto, mantendo um crescimento idêntico ao de outras cidades médias portuguesas até ao ano de 2001, invertendo depois essa tendência, refletindo a influência de movimentos migratórios pouco expressivos, ainda assim suficientes para compensar o saldo natural.

Nas últimas décadas a urbanização crescente da população apresenta-se como uma tendência a nível global, com o incremento da transferência da população dos aglomerados de pequena dimensão para as grandes metrópoles e para as cidades médias. Apesar de Portugal apresentar uma taxa de urbanização muito inferior ao resto do espaço europeu e a dinâmica de crescimento dos centros urbanos continuar a apresentar valores mais elevados que as regiões envolventes, na última década, a população de Évora, que na década anterior havia registado um aumento próximo de cerca de 800 habitantes, registou um aumento populacional de 77 habitantes apenas.

Pela sua localização, Évora constitui-se como espaço charneira entre o litoral alentejano e a Estremadura espanhola. De facto, a plataforma portuária de Sines assegura o transporte marítimo de cargas entre o sul e o norte da Europa, bem como o acesso rodoviário (pelas vias IC33, IP2 e A6) a toda a Europa, através da cidade-porta de Elvas. Admite-se que esta dinâmica seja reforçada no futuro através do corredor ferroviário da LTM (Linha de transporte de Mercadorias).

Pela sua dimensão, centralidade e visibilidade no contexto nacional, Évora emerge como o pólo com melhores condições para liderar a hierarquia do sistema urbano regional. Com efeito, a cidade assume claramente uma vocação patrimonial, cultural, universitária, e de serviços, com qualidade ambiental, que procura potenciar toda a área envolvente à própria cidade. Assim, a valorização da rede de cidades médias da região Alentejo, bem como dos centros urbanos de influência supra concelhia, constitui o principal objetivo na procura de um sistema urbano integrado. Em articulação com o sistema urbano nacional, as cidades médias da região do Alentejo, com especial relevância para Évora deverão contribuir, solidariamente, para fomentar o desenvolvimento harmonioso da rede complementar regional.

 

Mapa
Percurso
Concentração / Meeting Point: Castelo de Vide - Praça Dom Pedro V 10:00
10:00 Check
Partida Simbólica / Symbolic Start: Castelo de Vide - Praça Dom Pedro V 5.6 11:30 11:30
Rua de Olivença, À dta. p/ Alpalhão N246-1, Rotunda em frente p/ Alpalhão N246-1, Rotunda em frente p/ Alpalhão N246-1, Separadores em frente p/ Alpalhão N246
385 Partida Real / Km 0: N246 (junto à saída p/ Barragem da Póvoa)
0 171.9 11:40 11:40
319 Alpalhão - à esq. p/ Crato, Rua Ramal de Portalegre
10.5 161.4 11:56 11:55
321 À dta. p/ Portalgre, Rua de S. João
10.9 161 11:56 11:55
327 Rotunda à esq. p/ Crato N245
11.3 160.6 11:57 11:56
330 Rotunda em frente p/ Crato N245
11.9 160 11:58 11:57
330 Rotunda em frente p/ Crato N245
12 159.9 11:58 11:57
292 Rotunda à dta. p/ Crato - Flor da Rosa
23.5 148.4 12:16 12:14
297 Flor da Rosa - Rotunda à esq. p/ Crato N245 (antiga)
23.9 148 12:16 12:14
272 Crato - Cruzamento em frente p/ Alter N245
26 145.9 12:20 12:18
206 Passagem de nível / Passage à niveau !
28.9 143 12:24 12:22
257 Rotunda em frente p/ Alter, N245
35.6 136.3 12:34 12:32
263 Rotunda em frente p/ Alter
35.8 136.1 12:35 12:32
293 Alter do Chão 37.7 134.2 12:38 12:35
280 Rotunda em frente p/ Estremoz, N245
39.8 132.1 12:41 12:38
174 Ponte estreita! s/ Ribeira Grande - Praia Fluvial Início subida / Start of Climb
53.1 118.8 13:01 12:57
230 Fronteira 54.3 117.6 13:03 12:59
259 PM 4ª cat / 4th cat. Climb - Fronteira 54.4 117.5 13:03 12:59
257 Rotunda à dta. p/ Estremoz-Sousel, Rua do Cemitério
54.5 117.4 13:03 12:59
270 À dta. p/ Estremoz - Sousel, N245
55.5 116.4 13:05 13:01
247 Rotunda em frente p/ Estremoz - Sousel, N245
57 114.9 13:07 13:03
253 Sousel 66.7 105.2 13:22 13:17
250 Rotunda (Bombeiro) em frente p/ Estremoz
67.1 104.8 13:23 13:18
267 Rotunda (Mó) em frente p/ Estremoz
67.6 104.3 13:24 13:18
274 Rotunda em frente p/ Estremoz
67.9 104 13:24 13:19
353 Venda da Porca 78.5 93.4 13:40 13:34
361 Passagem de nível desativada / Passage à niveau désactivée
80.5 91.4 13:43 13:37
368 Rotunda à esq. p/ Estremoz
83.5 88.4 13:48 13:42
400 Em frente p/ Rua Serpa Pinto
84.6 87.3 13:50 13:43
415 Largo General Graça, à dta. p/ Rossio Marquês de Pombal
85 86.9 13:50 13:44
417 Rotunda em frente - Rossio Marquês de Pombal
85.1 86.8 13:50 13:44
419 À esq. p/ Câmara Municipal
85.3 86.6 13:51 13:44
419 Meta Volante / Sprint - Estremoz
85.4 86.5 13:51 13:44
420 Rotunda à dta. p/ Rua Victor Cordon - Porta de St. António
85.5 86.4 13:51 13:45
415 Rotunda em frente Av. de St. António
86.1 85.8 13:52 13:46
423 À esq. p/ Borba, N4
86.6 85.3 13:53 13:46
441 Concelho de Borba 93.2 78.7 14:03 13:56
429 Separadores (A6) em frente p/ Borba, N4
95.4 76.5 14:06 13:59
384 Separadores à dta. p/ Borba, Av. D. Dinis de Melo e Castro
98.2 73.7 14:11 14:03
388 Rotunda (Pingo Doce) em frente p/ centro, Av. D. Dinis de Melo e Castro
98.8 73.1 14:12 14:04
400 Borba 99.2 72.7 14:12 14:05
401 Praça da República à esq. p/ Vila Viçosa
99.3 72.6 14:12 14:05
413 Rotunda à esq. p/ Vila Viçosa
99.8 72.1 14:13 14:06
418 Rotunda em frente p/ A6
100 71.9 14:13 14:06
472 Cruzamento à esq. p/ Vila Viçosa, N255
101.5 70.4 14:16 14:08
430 Separadores à esq. p/ Vila Viçosa
105 66.9 14:21 14:13
399 Vila Viçosa, rotunda à esq. p/ Vila Viçosa Norte
105.8 66.1 14:22 14:14
400 Rotunda (Hipermercados) á dta. p/ centro, N255 (antiga)
107.2 64.7 14:24 14:16
386 Terreiro do Paço 107.8 64.1 14:25 14:17
394 À dta. p/ Praça da República
108.4 63.5 14:26 14:18
400 Meta Volante / Sprint - Vila Viçosa
108.6 63.3 14:27 14:18
398 À esq. p/ Alandroal, Av. do Alandroal
108.9 63 14:27 14:19
410 À esq. p/ Alandroal, N255
11.5 160.4 11:57 11:56
366 Freguesia do Alandroal 116.9 55 14:39 14:31
349 À esq. p/ Alandroal, Rua António José de Almeida
117.4 54.5 14:40 14:31
354 À dta. p/ Piscinas, Rua Nova
117.5 54.4 14:40 14:31
328 Stop à dta. p/ forum Cultural
117.9 54 14:41 14:32
323 À esq. (junto ao Forum) p/ Castelo
118 53.9 14:41 14:32
330 À esq. p/ Rua Diogo Lopes de Sequeira
118.1 53.8 14:41 14:32
340 Praça da República 118.3 53.6 14:42 14:33
340 Em frente p/ Rua Dr. Manuel Viana Xavier Rodrigues
118.4 53.5 14:42 14:33
331 Rotunda à dta. p/ Redondo, N373
118.7 53.2 14:42 14:33
310 À dta. p/ Redondo, N255
119.2 52.7 14:43 14:34
320 À esq. p/ Redondo, N373
119.9 52 14:44 14:35
243 Separadores (Bencatel) em frente p/ Redondo, N254
131.4 40.5 15:02 14:52
285 Redondo 134.2 37.7 15:06 14:56
289 Rotunda à dta. p/ Évora, Rua do Almagre
134.4 37.5 15:06 14:56
297 À esq. p/ Av. Dinis Miranda
134.7 37.2 15:07 14:57
300 À esq. p/ Rua dos Bombeiros Voluntários
135 36.9 15:07 14:57
304 Largo Novo Redondo em frente p/ Rua Cândido dos Reis
135.3 36.6 15:08 14:58
296 Praça da República em frente p/ Rua da Faia
135.5 36.4 15:08 14:58
300 Meta Volante / Sprint - Redondo
135.6 36.3 15:08 14:58
267 Rotunda em frente p/ Évora, N254
136.1 35.8 15:09 14:59
238 Separadores (Azaruja) em frente p/ Évora, N254
152.3 19.6 15:34 15:22
252 Évora 168.4 3.5 15:59 15:46
257 Passagem de nível desativada / Passage à niveau désactivée
169.3 2.6 16:00 15:47
273 Rotunda em frente p/ Av. S. João de Deus
170 1.9 16:01 15:48
273 Rotunda em frente p/ Av. S. João de Deus
170.2 1.7 16:01 15:49
273 Rotunda (Hospital) em frente p/ Av. S. João de Deus
170.7 1.2 16:02 15:49
262 Rotunda (Repsol) em frente p/ Rua Dr. António José de Almeida
170.9 1 16:02 15:50
266 Rotunda (Bicicleta) à dta. p/ Rua Dr. António José de Almeida
171.1 0.8 16:03 15:50
274 Rotunda à esq. p/ Av. Dr. Barahona
171.3 0.6 16:03 15:50
275 À dta. p/ Rua da República,
171.5 0.4 16:03 15:50
297 Meta Final / Finish Line: Évora - Praça do Giraldo
171.9 0 16:04 15:51
Altimetria
Últimos 3 Kms
Partida
Chegada
Actualizar
Galeria
Resumo 5ª Etapa 39ª Volta ao Alentejo Delta Cafés

Foi sob chuva forte no centro histórico de Évora que Orluis Aular (Caja Rural-Seguros RGA) festejou, este domingo, o triunfo na 39ª Volta ao Alentejo Delta Cafés.