Nova liderança na “Alentejana”
Volta Ao Alentejo > Notícias > VA 2019 > Nova liderança na “Alentejana”
VA 2019
Nova liderança na “Alentejana”
18:15 - 22 março, 2019

Britânicos dominam todas as frentes

Partilha este artigo

O britânico Gabriel Cullaigh (Team Wiggins Lecol) voltou a erguer os braços e a levar os punhos ao peito na “Alentejana”. Depois de, na edição anterior ter vencido duas etapas, o jovem de 22 anos foi superior no sprint alongado em Mora e conquistou, esta quinta-feira, a liderança da 37ª Volta ao Alentejo Crédito Agrícola.

Nesta chegada novamente inclinada, Luís Mendonça (Radio Popular/Boavista) fez segundo e Rafael Silva (Efapel) foi terceiro. Nas contas finais, além de um novo comandante, há a destacar o regresso do melhor português, Mendonça, à vice-liderança em troca com o espanhol Vicente Garcia de Mateus (Aviludo-Louletano).

”Hoje garantimos a Camisola Amarela, a dos Pontos e a da Montanha. Foi um dia perfeito”, disse satisfeito o novo líder. Consciente das dificuldades em manter-se de Amarelo, Gabriel Cullaigh revela que veio “com uma equipa forte e ambiciosa. Sem dúvida que a concorrência aqui é muito boa, mas o que vai decidir tudo é o contrarrelógio individual. Esse vai ser o verdadeiro teste”. A terceira etapa da Alentejana, 176,5 km divididos entre Santiago do Cacém e Mora, revelou um pódio totalmente novo. Gabriel Cullaigh juntou à Camisola Amarela Crédito Agrícola a liderança dos pontos expressa nesta competição pela Camisola Preta KIA. O companheiro de equipa, James Fuche, ascendeu ao trono dos melhores trepadores e vestiu de Castanho Delta Cafés. A seleção britânica de sub-23 viu Rhys Britton envergar a Camisola Branca Fundação INATEL, símbolo da juventude.

Uma etapa frenética

O primeiro grupo a dar nas vistas formou-se logo após a saída de Santiago do Cacém pela iniciativa de Tiago Machado (Sporting/Tavira) que levou na roda outros quatro corredores onde seguia também James Fouche (Team Wiggins Lecol). O neozelandês aproveitou o dia para somar pontos para a liderança da montanha em Alcácer do Sal e Montemor-o-Novo. Pela ação mais interventiva das equipas Efapel e W52/FC Porto, o pelotão alcançou os resistentes da fuga quando ainda faltavam cerca de 60 quilómetros para a chegada, mas o coletivo voltou a fracionar-se em dois grupos depois da passagem por Arraiolos. Na frente estavam os favoritos, entre eles o anterior comandante da prova Enrique Sanz (Euskadi  Basque Coutry-Murias). Foi este cenário que se manteve até Mora.

Dois em um

Depois de três dias de competição, o fim-de-semana começa com uma etapa dupla que na verdade são duas. Em Ponte de Sor, que regressa ao convívio da “Alentejana” após 26 anos de ausência, o dia começa com uma etapa relativamente pequena mas com a exigência de duas montanhas, uma de 4ª categoria no Crato e a 5,4 km da meta uma contagem de 2ª categoria no Cabeço do Mouro. Antes da chegada a Portalegre, perto das 12h20, os corredores ainda têm a Meta Volante de Alter do Chão.   

O sábado tem no período da tarde o contrarrelógio de Castelo de Vide. A pitoresca vila vai proporcionar uma muito decisiva luta contra o cronómetro de 8,4 km. À semelhança de 2018, o percurso deste exercício individual vai ascender à Ermida da Sr.ª da Penha, na Serra de S. Paulo, para terminar junto ao Parque João José da Luz, no centro urbano.

Notícias Relacionadas
Categorias
Ver todas
Destaques
Ver todos
16:15 - 24 março, 2019